BREVE HISTÓRICO DE NOSSA ESCOLA...

O nome do Colégio vem do Dr. Pedro Amazonas de Souza Pedroso e foi criado pelo decreto nº 4683 de 05 de Fevereiro de 1965. O seu primeiro nome foi Ginásio Estadual Profª Anésia. O Colégio inicialmente pertencia a antiga FEP agora UEPA. O médico que deu nome ao colégio era paraense nascido de família humilde, ficando órfão ainda criança. O Dr. Pedroso foi médico honrado, serviu no exército, foi professor do Instituto Lauro Sodré e Diretor do Colégio Paes de Carvalho. O Dr. Pedroso também exerceu a função de gestor em uma policlínica na cidade de Belém. Atualmente o Colégio conta com aproximadamente 4500 alunos, funcionando em 3 turnos, temos em torno de 150 professores, 30 funcionários, 6 técnicos mais pessoal de apoio.
Nossa escola tem tradição e está entre as melhores da rede pública estadual quando se trata de aprovações nos vestibulares da capital.
A escola conta com 33 Salas de Aula, Cantina, Biblioteca, Sala de Informática, Laboratório Multidiciplinar, Auditório, Anfiteatro, 2 Quadras Esportivas e Vestiário, Estacionamento, Reprogafia além de toda a gente interessante que faz parte do Pedroso.
Venha conhecer!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Justiça Impede gabarito do ENEM!!!

Alunos do Pedroso, Atenção!
Cuidado com as notícias rápidas na internet... A justiça federal impediu a divulgação oficial do gabarito do ENEM 2010! No site oficial do MEC e do ENEM não há nada sobre o gabarito, portanto, não se desespere! Aguarde o lançamento oficial do gabarito. Leia a notícia: 

Está suspensa a divulgação do gabarito oficial do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A Justiça Federal no Ceará informou hoje que a proibição faz parte da liminar da juíza Karla de Almeida Miranda Maia que, na segunda-feira, suspendeu o Enem 2010. A argumentação da juiza é que as falhas nas provas violaram o princípio da isonomia entre os candidatos. A Advocacia-Geral da União (AGU) vai apresentar recurso contra a sentença ao Tribunal Regional Federal (TRF) da 5ª Região e à própria juíza que tomou a decisão de barrar o Enem.

No primeiro dia de prova do Enem, no sábado (6), entre os erros os estudantes detectaram que o cabeçalho da folha para o gabarito das questões de ciências da natureza estava incorretamente identificado como ciências humanas, o que inviabilizava a marcação precisa das respostas no espaço destinado na prova.

"A juíza federal Karla de Almeida Miranda Maia considera importante que o gabarito não seja divulgado, porque poderá acarretar acirrados ânimos entre os candidatos eventualmente aprovados e aqueles que não obtiveram resultado exitoso", disse a Justiça Federal.

Além da suspensão da divulgação do gabarito, também estão impedidos, conforme a decisão judicial, o recebimento de requerimentos administrativos de qualquer aluno que tenha participado do Enem ou a realização das etapas que antecederem a publicação do resultado final.

"Não há essa quebra de isonomia como se pretende afirmar. Se mantida essa tese, chegaríamos ao absurdo de, havendo um aluno prejudicado, termos que realizar uma nova prova para 3.399.999 estudantes. É necessário preservar a possibilidade desse candidato ter uma prova aplicada validamente, mas não podemos achar que a existência de provas diferentes impede uma avaliação equivalente, sob pena de estarmos invalidando todo o sistema de avaliação no Brasil", debateu o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams.

"Temos plena confiança que o tribunal para onde será encaminhado o novo recurso terá a sensibilidade de preservar a situação desses 3.298.000 estudantes que fizeram uma prova válida e têm direito a uma avaliação e a uma pontuação", completou o ministro-chefe da AGU, minimizando o risco de morosidade na decisão por parte do Poder Judiciário.

Contrário à possibilidade de realização de uma nova prova do Enem para todos os estudantes, o advogado-geral observou que a aplicação de uma nova prova representaria um "prejuízo claro" aos alunos que já fizeram a prova e se submeteram a meses de estudo e ao estresse de se submeterem às questões. "A decisão de refazer a prova representa um prejuízo claro aos 3 milhões de estudantes. Temos que pensar nesse universo de estudantes brasileiros que serão prejudicados com a eventual aplicação de uma nova prova global. Não é sustentável a tese de que há uma quebra de isonomia", disse.
Fonte: site terra.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Faça um comentário...deixe seu recado!
Sua opinião é importante para melhorar cada vez mais o Blog do Pedroso!!!

Nós e os Números...

A 1ª Máquina de Calcular...


"Foi o matemático e filósofo alemão Gottfried Leibniz (1646-1716) o primeiro a construir uma máquina capaz de realizar todas as operações aritméticas por meios puramente mecânicos, em 1694. Seu invento nunca foi comercializado mas inovava ao apresentar um visor de posição, a multiplicação e a divisão em posição móvel e um sistema de tambores dentados com comprimentos crescentes deslizando cada um sobre seu eixo.

...

"Lembremos, de passagem, que Leibniz foi o inventor do sistema binário de numeração (numeração de base 2 onde se utilizam apenas os algarismos 0 e 1 para escrever todos os números). O que à época pareceu mera curiosidade sem nenhuma aplicação prática foi retomado 200 anos depois pelo lógico-matemático inglês George Boole, tornando-se mais tarde a base de numeração empregada pelos computadores."


"A partir da máquina idealizada por Leibniz, vários aperfeiçoamentos foram feitos por diversos inventores. Não se sentia ainda, porém, a necessidade real de utilização de tais máquinas, que eram ainda encaradas como curiosidades, não havendo realmente mercado para sua construção em larga escala."


Fonte: http://mnemosyne.blog-city.com/primeira_mquina_de_calcular.htm


MPB e MPP

PAUAPIXUNA: Interpretação Lucinha Bastos

Uma cantiga de amor se mechendo
Um tapuia no porto a cantar
Um pedacinho de lua nascendo
Uma cachaça de papo pro ar
Um não sei que de saudade doendo
Uma saudade sem tempo ou lugar
Uma saudade querendo, querendo
Querendo ir e querendo ficar

Uma leira, uma esteira, uma beira de rio
Um cavalo no pasto, uma égua no cio
Um principio de noite
Um caminho vazio
Uma leira, uma esteira
Uma beira de rio

E no silêncio uma folha caída
Uma batida de remo a passar
Um candeeiro de manga comprida
Um cheiro bom de peixada no ar
Uma pimenta no prato espremida
Outra lambada depois do jantar
Uma viola de corda curtida
Nesta sofrida sofrência de amar

( REFRÃO )

E o vento espalhado na capoeira
A lua na cuia do bamburral
A vaca mugindo lá na porteira
E o macho fungando cá no curral
O tempo tem tempo de tempo ser
O tempo tem tempo de tempo dar
Ao tempo da noite que vai correr
O tempo do dia que vai chegar


Espaço da Ciência

Escorpião Fluorescente...

Os escorpiões usam o misterioso brilho verde que emitem sob luz ultravioleta como um instrumento rudimentar para decidir se a luz emitida pela lua estão muito forte para que o animal saia de sua toca com segurança.

Como os escorpiões são caçadores noturnos, parece estranho que eles apresentem a fluorescência em vez de ficarem camuflados. O pesquisador Carl Kloock, da California State University, diz que os animais produzem uma quantidade limitada de pigmentos fluorescentes, que se degrada conforme brilha.

Kloock colocou 15 escorpiões expostos à luz ultravioleta até que seu pigmento tivesse sido todo usado e depois comparou o comportamento noturno com outros 15 escorpiões que não tiveram os pigmentos fluorescentes esgotados. Os fluorescentes ficaram restritos a uma pequena área, enquanto os outros vagavam ao acaso.

O ponto crucial, diz Kloock, reside no que os animais conseguem ver. Se, como parece provável, eles não podem ver o componente ultravioleta da luz das estrelas e luar, eles não sabem se a noite é clara o suficiente para permitir que os predadores possam vê-los.

Doug Gaffin, da Universidade de Oklahoma, diz que os escorpiões podem se esconder na sombra noturna embaixo de folhas, sugerindo que eles são muito sensíveis à luz. Ele acrescenta que a fluorescência pode ter outras funções, tais como avisar predadores sobre o veneno do escorpião.

Fonte: http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI194990-17770,00-ESCORPIAO+BRILHA+NO+ESCURO+PARA+DETECTAR+LUAR.html